18/08/2015

Criar não é tão original quanto parece ser


A criatividade NASCE no momento que você perde o medo do novo e desapega dos seus paradigmas. A criatividade CRESCE quando você compreende que nada vem do nada. Que se alguma coisa existe hoje, ela só é possível por causa de todas as outras coisas que já vieram antes.

O escritor Jonathan Lethem disse que, quando as pessoas chamam algo de original, elas não conhecem as referências ou as fontes originais envolvidas.

Ou seja, mesmo quando queremos criar algo com valor singular, as referências estão presentes, como uma soma de suas influências. A originalidade acontece no processo criativo, pois uma ideia nunca nasce pronta. Por mais que você já tenha a receita do bolo, são os seus ingredientes que tornarão o seu produto único.

Por exemplo:


Queria escrever um post sobre processo criativo (já escrevi aqui) e os estágios iniciais de um bom design, tudo sobre antes de chegar no resultado final, ou melhor o que vem antes do passo a passo. Sei que isso é muito relativo, então compartilho aqui o que funciona para mim.

Para começar, preciso de uma pista visual, alguma imagem que reflita um pouco das ideias que estão na minha cabeça. Para esse post, não estava encontrando nada no Pinterest e nem no Instagram, foi aí que resolvi pegar os meus materiais para ver o que tinha em mãos.

Quando você não encontra uma referência que dialoga exatamente com o que está pensando, uma boa dica é ir até os seus ingredientes, com o propósito de gerar insights. E foi exatamente isso que ocorreu comigo. Somente ao analisar os meus materiais, me dei conta que boa parte das coisas que tenho hoje, comprei em uma loja em Amsterdã, chamada Hema.



Comecei a pesquisar nas redes sociais da loja e encontrei muita coisa legal, como já esperava. Afinal tem sido cada vez mais comum por parte das marcas "educar" o seu consumidor, você com certeza já observou isso. Se uma loja vende uma blusa, a mensagem que chegará até você será o look completo com a blusa, da mesma forma acontece com a venda de uma cadeira, é provável que você a veja em uma linda sala de jantar.

No meu caso, se comprei washi tape, era provável ter DIY com as fitas coloridas.

E foi exatamente isso que aconteceu, encontrei muita coisa legal, mas fiquei encantada com esse vídeo, dê um play e divirta-se, mas continuo conversando contigo logo abaixo, então não me abandone! =P



Algumas semelhanças existem entre a foto inicial do artigo e o vídeo, não é mesmo? Rs. Não é mera coincidência, é se inspirar em referências. ;) Pelo menos para um pontapé inicial quando nenhuma ideia realmente boa vem.

Mas não acaba por aqui...


Se você de fato deseja um bom design, não deve criar o seu produto até onde a sua referência desenvolveu, você tem que ir além dela. Perceber o que é bom para manter e o que precisa melhorar.

No meu caso eu amei a brincadeira com as washi tape, adorei fotografar tudo, e amo estar escrevendo esse artigo para você, no entanto qualquer coisa que criamos depende de recursos, gera lixo, desperdícios e por aí vai. Então o que fazer com essa brincadeira toda?

Encontrei uma moldura antiga e resolvi dar uma moral para a minha palavra "CRIATIVO", que irá ganhar um destaque aqui em casa.


Sim, por enquanto é só uma moldura, até porque o meu design ainda não acabou, tem um caminho longo até chegar no resultado final, que vou te mostrar na sexta-feira.

Mas, antes de finalizar o post:

Revelo ou não revelo as minhas fontes?


Depende. Se você fez um produto que é quase uma cópia da sua referência, é legal você compartilhar de onde veio a sua ideia com os seus leitores/clientes, além de ser justo dar os devidos créditos ao criador.

No entanto, se o seu produto é uma soma das suas influências, ele é seu, pertence a sua história e todas as conexões que você fez.  Mas também nada impede de compartilhar a trajetória de suas criações. Isso é tão divertido!

Não seja tão reservado com as suas ideias, pois um dia você poderá se tornar ultrapassado. Quando você revela as suas fontes, você perde a exclusividade e sentirá a necessidade de se reabastecer. Quanto mais você revela, mais evolui.

E afinal, "elas não são ideias suas, são de outra pessoa. Estão por aí, flutuando no espaço." Paul Arden.

Então é isso, sexta-feira na hora do almoço eu volto para mostrar o resultado final, você me encontra aqui?

Até! ♥ 

Ahhh! Quer ver o apartamento que fiquei em Amsterdã? Então clique aqui. Se deseja saber mais sobre a minha viagem, então veja aqui. E já parei, senão vai quase virar um atendimento de telemarketing. Rs.

UPDATE: Veja aqui como ficou a arte e a moldura! =)







Nenhum comentário :

Postar um comentário