08/10/2014

Porque REUTILIZAR é tão importante


O post anterior me fez refletir... Algo curioso acontece com a maior parte das coisas que compramos:

Primeiro, o objeto é exibido como se fosse um troféu; depois passa a frequentar alguma prateleira perdida ou escondido em uma gaveta, até ser transformado em lixo.

É claro que nem tudo é depreciado, jóias e obras de arte, por exemplo, são adquiridas na expectativa de que valham mais com o passar do tempo. Para várias outras coisas que possuímos, tão logo é comprado, e seu valor já diminui, devido ao uso, ao desgaste, obsolência tecnológica ou inadequação à moda. 

Ás vezes, fico nervosa dentro de casa, tem dias que parece que ela se transformou em um centro de processamento de lixo! Só os itens diários de cozinha já dá para encher um cesto médio por dia. Agora, vamos pensar, no conteúdo dessa cesta de listo: folha de papel, papel-toalha, latas, potes de vidro, embalagens de plástico, enfim, geralmente é esse o meu lixo seco. E a pergunta é: - Alguma dessas coisas que eu citei se chama lixo? NÃO! São recursos que estão no lugar ERRADO!





Temos que adotar um novo olhar para os objetos antes de descartá-los, pois todos podem ser tornar RECURSOS com grande potencial para a criação de um novo objeto!

A criação de qualquer coisa NOVA representa um desperdício para o planeta. Os materiais, energia, mão de obra e engenhosidade humana são direcionadas para atender às necessidades de uma sociedade que é frenética por consumo. Que triste é isso!

Reciclar ou reutilizar 100% das nossas coisas é algo muito difícil nos dias de hoje. O consumo por novos objetos é necessário e inevitável. Portanto, sou defensora do equilíbrio entre a compra e o reaproveitamento.

Soluções para quem se preocupa com o bem do planeta:

  • Compre de forma mais consciente. Ao usar o seu dinheiro, pense que ele está contribuindo para a manutenção de um tipo de economia que você deseja ou um tipo de economia que você abomina. Procure se informar.
  • Prefira produtos de origem local, isso ajuda a sua comunidade, apoia empregos e reduz os quilômetros viajados pelos produtos.
  • Adquira produtos de segunda mão, acredite isso pode ser uma opção atraente. Clique aqui para ver um exemplo.
  • Doe os produtos que você não deseja mais e conserve melhor as suas coisas.
  • Reduza o seu lixo e reaproveite mais.
Essas pequenas escolhas fazem a diferença, podem influenciar sua vizinha, seu namorado, sua amiga, e todo o seu redor. O valor de uma ação individual, está em INSPIRAR os outros, sendo um pequeno passo para uma ação coletiva e promover mudanças!


Eu sei, ás vezes há um temor de que a qualidade de vida diminua se mudarmos o modelo de economia que incentiva o acúmulo e compra de coisas. Estou em transição para um estilo de vida mais sustentável e estou longe, bem longe de desafiar esse medo cara a cara. Mas, como diria um provérbio japonês: "Até uma jornada de mil milhas começa com um pequeno passo!" Então, acho que estou dando os meus primeiros passos! =)

Agora, uma coisa muito, muito, muitíssimo importante que acontece demais na nossa vida e produz um enorme impacto na forma como valorizamos ou não nossos produtos: quando a mídia diz que as nossas coisas já não são tão boas e que precisamos de outras, num passe de mágica perdemos o interesse pelo que já possuímos, e procuramos as novidades dita por ela.

Mas, como nem tudo nessa vida está perdido, também há mídias que nos inspiram a sermos criativos, que fazem da ideia do reaproveitamento, uma opção muito viável, prática e atraente. Pessoas que deixam o preconceito de lado, botam a mão na massa e provam a todo o instante que REAPROVEITAR não é uma necessidade imposta pela pobreza, mas sim uma forma inteligente de prolongar a vida de determinados produtos!

E hoje, vou compartilhar pessoas que fazem esse trabalho muito bem e me inspiram:



O que ele mais faz é reutilizar, o blog, cumpre a missão de mostrar  as pessoas que é possível dar um destino mais digno aos resíduos que geramos. Vale a visita no blog dele.




Talentosíssima e muito original é essa moça, em seu blog ela compartilha que os objetos quebrados, antiquados ou vazios são vistos como potencialmente úteis, e não como descartáveis.

Vasinho magnético feito a partir de lata de atum:



























Bandeja-lousa, que ela fez com uma moldura velhinha:


































Uma cadeira com roupa nova, gastando sempre bem pouquinho:





























Outra moça de muito talento, sempre de bom humor e com uma visão inusitada para dar vida às coisas que iriam para o lixo.

Gaveta velha, toda boba com sua nova função:


Lata de leite em pó, que virou luminária:


E quem aqui lembra dos disquetes?


  • Thamyrez, do blog: Casa Design Studio.... hehehe Ah! Gente, não resisti! ;)
Que tal transformar o seu armário em um closet:


Uma segunda chance para uma caixa de sapato:





































Vida longa aos caixotes de feira:


E rendeu assunto esse post, não é mesmo? Ufa! Mas ás vezes fico com uma coisa na cabeça e preciso escrever, organizar as ideias. Quero trabalhar e descobrir como abordar uma economia mais inteligente do uso de materiais, buscando uma visão mais ampla do sistema: extrair - fazer - descartar.

Você tem algo a acrescentar, alguma dica, sugestão, ideia? Quero te ouvir, saber o que pensa sobre o assunto! Será um enorme prazer! ;)

6 comentários :

  1. Thamyrez, que SUPER post!

    Não é porque eu fui para no meio dele (uau, amei, mil corações pra você), mas porque é um tema que merece ser tratado com mais importância no Brasil. Digo isso porque desde que mudei pra cá, o lixo ganhou mais espaço/importância no meu dia a dia. Somos praticamente obrigados a separá-lo e descartá-lo de maneira certa e pagar pelo volume de lixo orgânico gerado. Passei a dar preferência a produtos que tenham refil ou venham em embalagens de vidro (ou que sejam bonitas para eu usar depois) e também pensar como seria o descarte de outros artigos que antigamente simplesmente jogaria numa lixeira/caçamba qualquer. Sacolinhas plásticas nos supermercados são cobradas e nas lojas onde não são, o caixa te pergunta antes se você precisa de uma - agora ando sempre com uma de tecido na bolsa. Na hora de comprar bebida no mercado, em 90% dos casos pagamos um valor X pela garrafa e/ou engradado e recebemos esse dinheiro de volta no ato do descarte correto. Uma coisa "boba" e que fez bastante diferença no volume de lixo orgânico daqui de casa foi o uso de guardanapos de tecido todos os dias - dá pra usar o mesmo em algumas refeições e lavá-los junto com os panos de pia. O último pacote de guardanapo de papel que comprei foi no Natal de 2013...

    Já falei um pouquinho sobre essa história do lixo lá no blog (aqui http://www.thebluepost.com.br/2013/05/cidade-limpa.html e aqui http://www.thebluepost.com.br/2013/10/casa-brasileira-x-casa-alema.html).

    É tão fácil se adaptar a esses pequenos hábitos! Se a gente juntar vários deles, percebe uma diferença enorme pelo menos dentro da nossa própria casa. É claro que facilita muito se existir um incentivo da cidade e do país, mas acredito que dê para começar pelo que está ao nosso alcance e aproveitar alguns desses bons exemplos que vemos por aí.

    Bjos e parabéns pelo post! :*

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro reutilizar, e procuro fazê-lo sempre que possível. Infelizmente, consigo reutilizar menos do que gostaria. Mas sempre tenho um lugar para guardar coisas que eu acho que podem ser reaproveitadas.
    Mas mesmo o que eu não consigo reaproveitar, separo o lixo seco do orgânico, SEMPRE. E sempre ando com uma sacola retornável na bolsa, adquiri esse hábito quando fui morar sozinha.
    Assim como a Carla, quando preciso comprar um produto que venha em embalagem de vidro, dou preferência àqueles que tenham uma embalagem mais bonita ou mais fáceis de serem reaproveitadas - por exemplo, potes são mais usáveis que garrafas.
    Outra coisa que me chamou a atenção recentemente é que as pessoas se surpreendem quando percebem que só tenho uma lata pequena de lixo na casa toda (até quem também mora sozinho se surpreende) - porque o lixo seco, não tem uma cesta específica, quando tem, coloco um saco num cantinho da área de serviço, ou coloco direto no cesto de lixo reaproveitável do prédio.


    Muito bom esse post, muito bom mesmo!


    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Este é um dos meus temas favoritos! Adoro reaproveitar, reinventar, renovar!
    Eu vivo olhando garrafas e potes com outro olhos, rs
    Adorei o post, adorei as referências, adorei seu blog (hmm, mas acho que já disse isso, rs)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Olá, Carla! Obrigada, que bom que gostou!


    Há uma grande diferença na coleta do lixo na Alemanha e aqui no Brasil, né?! Não tem jeito, só com educação mesmo para conscientizar as pessoas dessa importância! Por exemplo, aqui, como vc citou em um post, precisamos que haja uma multa para fazermos o certo!


    Também acho que pequenos hábitos fazem muita diferença, e tem que ser um exercício diário, para cada vez mais entrar na nossa rotina.


    Adorei saber como a coleta de lixo funciona na Alemanha, gostei de saber que tem toda uma atenção voltada para essa questão! Quem sabe a gente não chega lá? Obrigada por compartilhar essas informações aqui! =D

    ResponderExcluir
  5. Olá Jú!


    Também estou adquirindo esse hábito de separar o lixo seco do orgânico e também observei essa diferença no volume do lixo. E dá uma felicidade perceber essas pequenas coisas, não é mesmo? Da mesma forma como dá uma felicidade quando a gente resgata algo que iria para o lixo! Dá uma sensação de dever cumprido!


    Ah! Os potes de vidro... sempre um xodó né?


    Obrigada pela visita, adorei!!! =)

    ResponderExcluir
  6. Já disse sim!!! Obrigada, fico muito feliz em saber disso!


    Aiii, eu também, antes de comprar já fico pensando no que posso fazer com a embalagem, já fico de olho no potencial escondido por trás de uma humilde embalagem de vidro. Aliás, acho que esse item foi unânime aqui nos comentários. Todas adoram!

    ResponderExcluir